Look: saia de malha com estampa étnica

Oi, queridos!

Segunda-feira é dia de look aqui no Fluffy, e dessa vez inovei bastante. É bem difícil me ver de salto, até porque não posso usá-los no meu trabalho, por causa das normas da empresa. Então, só uso quando saio à noite ou em ocasiões especiais – além do mais, sou bem prática, e para o dia a dia prefiro um sapato confortável.

Pois bem, já faz umas duas semanas que fui a um casamento, e como estava frio por aqui, usei meia calça, saia de lã, blusa de manga longa e salto. Eu adorei tanto a composição (principalmente a saia, pela qual estou apaixonada! ❤︎) que resolvi postar pra vocês. É um pouquinho diferente do que tenho mostrado até agora, mas espero muito que vocês gostem.

Eu adoro maquiagens bem levinhas, parecendo que não usamos nada, sabe? Além disso, como uso óculos, acho que fica pesado demais se eu usar muita maquiagem. Por isso, geralmente faço algo bem simples. É claro que, de vez em quando, adoro um batom vermelho, por exemplo (como nesse look aqui!). Não costumo usar mais do que um batom no dia a dia, mas quando quero me arrumar melhor, geralmente passo uma base levinha, um rímel, sombra em tons de marrom e batom rosa.

Mostrar mais

Sorteio: Domingo do desapego #23

Oi, pessoal! Vamos para mais uma semana de sorteio? Logo abaixo vocês encontram uma explicação sobre esse tipo de sorteio que é feito semanalmente aqui no Fluffy e a descrição do livro escolhido para essa semana. [happy]

Leia antes de participar:
Todos os livros sorteados exclusivamente no “Domingo do desapego” foram enviados a mim como cortesia pela Editora Novo Conceito. Esses exemplares não foram solicitados para resenha, e como o volume enviado mensalmente é grande, não tenho como dar conta de tudo e, por isso, resolvi sortear para os leitores do Fluffy. Conversei com a editora antes de qualquer coisa, e esses sorteios foram aprovados por eles. Como os exemplares eram meus, eles estão assinados com o meu nome e data na primeira página, pois tenho o hábito de fazer isso nos meus livros. Fora isso, o estado de conservação deles é novo. Novos sorteios vão ao ar todo domingo e têm duração de uma semana. O resultado pode ser conferido em cada respectivo post. Expliquei mais detalhes no primeiro post da coluna, e você pode conferir aqui.


As gêmeas

As gêmeas
Saskia Sarginson
Editora Novo Conceito, 2014
336 páginas

As gêmeas Isolte e Viola eram inseparáveis na infância, mas se tornaram mulheres muito diferentes: Isolte tem um emprego glamouroso em uma revista de moda de Londres, namora um fotógrafo e vive em um bairro descolado. Viola, desesperadamente infeliz, luta contra um transtorno alimentar e não faz questão de se ajustar a nenhum grupo. O que pode ter acontecido para levar as gêmeas a seguirem trajetórias tão desencontradas? À medida que as duas jovens começam a reviver os eventos do último verão em família, terríveis segredos do passado vêm à tona – e ameaçam invadir suas vidas adultas.

Veja o livro no site da editora | Adicione no Skoob

Para participar, basta fazer login pelo Facebook (ou com seu nome e e-mail) no formulário abaixo e seguir as regras (clicando no botão verde e fazendo o que a regra pede). Nesse sorteio há duas regras obrigatórias e duas opcionais: fazendo as obrigatórias, abrem as demais, mas você não é obrigado a fazer todas, só as que quiser. Se você tiver alguma dúvida, acesse o tutorial. [wink]

Mostrar mais

Follow Friday #79

follow friday

O dia mais esperado da semana finalmente chegou! Ops, na verdade esse dia é sábado (pelo menos pra mim, haha!). Essa semana bateu uma ressaca literária em mim, e até sei que livro foi: Eu te darei o sol. A leitura é boa – terminei ontem -, mas é bem cansativa, pelo menos até a metade. Semana que vem terá resenha aqui no blog, então vocês poderão conferir mais detalhes.

Enquanto isso, dá uma olhada no que teve de posts essa semana:

  • Segunda-feira é dia de look! Dessa vez, escolhi uma composição com as cores que mais adoro!
  • Sabe aquele livro fofinho e encantador, e que é super rápido de ler? Ele se chama O Grande Ivan.
  • Simplesmente o melhor filme dos últimos tempos! Eu não tive palavras pra descrever o quanto gostei de Divertida Mente!
  • Rich e Mad não foi um livro tão bom, mas tem aquele personagem que a gente tem vontade de guardar num potinho, sabe?
  • Agora vamos divulgar? Deixe o link do seu blog aqui embaixo, ou do melhor post da semana. O widget fica aberto até domingo de noite, que é quando poderão ser adicionados links. Depois desse tempo, somente na próxima sexta-feira. [wink] Então aproveite que esse espaço é todinho de vocês! [heart]


    William Nicholson – Rich e Mad
    Rich e Mad

    Rich e Mad
    William Nicholson
    Editora Galera Record, 2015
    304 páginas

    Saraiva

    Maddy Fisher decidiu se apaixonar. E não se trata de qualquer tipo de paixão: precisa ser louca, envolvente, absoluta. E, aos 16 anos, acredita que é só questão de se soltar um pouco mais. Quando Joe, colega da turma de teatro, começa a lhe mandar e-mails, ela sente que chegou a hora. Do primeiro amor, primeiro beijo, primeiro… tudo. Joe está saindo com Gemma. Mas só porque não quer ferir os sentimentos da menina. Afinal, eles namoram desde sempre. Logo logo, Mad vai poder contar a todos que tem um namorado. O virtual vai invadir o mundo real. E ela vai deixar de ser a esquisitona solitária: com amigas, mas sem par.

    Rich Ross também está em busca de amor. E vai fazer acontecer! O problema é que em meio ao preconceito, mentiras, pornografia, literatura, o sentimento se torna bem difícil de encontrar. Afinal, amor verdadeiro pode vir nos mais diversos formatos. É possível que uma pessoa que ele nunca imaginou sob essa ótica seja a que vai tocar seu coração?

    Os caminhos de Rich e Mad estão prestes a se entrelaçar. Com honestidade e delicadeza, a história clássica do ‘garoto encontra garota’ ganha um novo significado, agora repleto de descobertas e de aprendizado.

    William Nicholson é bastante conhecido pelo seu currículo como produtor de TV. Ele já escreveu diversos documentários, além de roteiros de séries, como Shadowlands, e filmes, como o Gladiador. Eu li a biografia do autor somente depois de ter iniciado a leitura de Rich e Mad, e foi aí que entendi porque a escrita estava me parecendo um script. Então, com isso em mente e sabendo o que esperar (ou não esperar), segui a leitura. Não foi decepcionante, mas também passou longe do que eu imaginei.

    Maddy Fisher é a personagem principal, e decidiu que quer ter um namorado. Simples assim. Mas ela não quer qualquer um: quer alguém que possa amar, em quem possa confiar. Verdadeiramente, Mad está procurando o amor que faça seu coração bater mais forte. E, por uma coincidência do destino, ela acaba trocando e-mails com Joe Finnigan, o garoto mais lindo e desejado da escola. Tudo é tão maravilhoso que nem parece verdade. Só que a gente descobre tudo um pouquinho depois.

    E Rich Ross é aquele carinha conhecido como o “esquisito” na escola, que sempre tem um livro embaixo do braço, adora as aulas de teatro e não tem muitos amigos. Pra compensar, ele também não tem dinheiro – o que, em sua concepção, ajuda a atrair garotas bonitas, como o seu amor platônico chamado Grace Carey, uma das melhores amigas de Mad.

    “Há dois tipos de amor. Há o amor que você recebe de alguém e há o amor que você dá para alguém. As pessoas acham que a melhor parte do amor é ter alguém amando você. Mas acho que a melhor parte é ter alguém para amar. Alguém que te permita amá-lo.”

    “Sua vida tem valor, ponto final. Cada vez que respira, você muda a atmosfera do planeta. Cada palavra que fala continua para sempre. Ondas sonoras nunca morrem, sabia disso? Cada coisa que você faz faz diferença.”

    Já podemos tirar algumas conclusões com essa premissa, certo? O próprio título nos sugere o que vai acontecer, afinal de contas. Mad é uma personagem muito legal, até um tantinho sonhadora, que não faz mal a ninguém e só quer que as pessoas de todo o mundo se amem. Ela é uma pessoa do bem, resumidamente. E Rich é apaixonante… em todas as suas imperfeições, em suas fofuras e nas atitudes atenciosas. Não é um personagem de arrancar suspiros, como gosto de dizer, mas é daqueles que eu tenho vontade de apertar, de tão fofo.

    Mostrar mais

    Resenha de filme: Divertida Mente
    Divertida Mente

    Divertida Mente
    Atores principais (vozes nacionais): Miá Mello (Alegria), Katiuscia Canoro (Tristeza), Dani Calabresa (Nojinho), Otaviano Costa (Medo) e Leo Jaime (Raiva).
    Gêneros: Animação, comédia, família
    Direção: Pete Docter
    Duração: 94 minutos
    Lançamento: 18 de junho de 2015
    País: Estados Unidos

    Crescer pode ser uma jornada turbulenta, e com Riley não é diferente. Ela é retirada de sua vida no meio-oeste americano quando seu pai arruma um novo emprego em São Francisco. Como todos nós, Riley é guiada pelas emoções – Alegria, Medo, Raiva, Nojinho e Tristeza. As emoções vivem no centro de controle dentro da mente de Riley, onde a ajudam com conselhos em sua vida cotidiana. Conforme Riley e suas emoções se esforçam para se adaptar à nova vida em São Francisco, começa uma agitação no centro de controle. Embora Alegria, a principal e mais importante emoção de Riley, tente se manter positiva, as emoções entram em conflito sobre qual a melhor maneira de viver em uma nova cidade, casa e escola.

    Quando fui ao cinema assistir Divertida Mente, foi por causa da indicação de várias pessoas. Mesmo que elas falassem tão bem da animação, eu ainda não levava muita fé. “Bonecos em forma de sentimentos na mente das pessoas? Deve ser daqueles clichês cheio de lições de moral”, pensei. Ah, como eu estava errada! Esse filme é, provavelmente, o melhor do ano pra mim!

    Antes de mais nada, vamos conhecer os personagens desse filme:

    Riley é uma garotinha comum que, assim como todas as criaturas vivas, têm as emoções dentro da cabeça. Ela mora com sua mãe e seu pai – e mal sabe que sua rotina está prestes a virar de cabeça para baixo!

    Divertida Mente

    Mas espera aí: emoções? Que emoções são essas? Apresento-lhes Alegria, Tristeza, Nojinho, Medo e Raiva:

    Divertida Mente

    Ok, agora vamos à resenha.

    Quando a pequena Riley nasceu, a Alegria ganhou vida em sua cabecinha. Ela não entendia muita coisa, mas apertou um simpático e grande botão, fazendo a menina sorrir. Alegria pensou que aquele sentimento gostoso seria eterno. Porém, isso durou alguns segundos, até que a Tristeza colocou suas mãozinhas no botão e fez Riley chorar. E assim começa essa história, com a inclusão de outros três trabalhadores do núcleo central: Medo, Raiva e Nojinho.

    Falando de dentro do cérebro, deixa eu explicar ainda: cada emoção é transmitida através de uma cor, como vocês devem ter percebido. As memórias das pessoas são armazenadas em espécie de bolas, e elas são das cores que aquela lembrança remete. Se foi um momento bom, será amarela (alegria); se foi algo triste, será azul (tristeza), e assim por diante. Nossas memórias são armazenadas a longo prazo, podendo ser acessadas a qualquer momento. Sabe aquela música super chata que, de vez em quando, volta à sua cabeça? É uma memória a longo prazo que alguém está achando graça em colocar pra tocar! [smile]

    Mostrar mais

    1 2 3 4 5 161