Follow Friday #53

Oi, pessoal! Assim como todas as sextas-feiras, hoje eu vou fazer um resumão do que teve aqui no blog durante a semana. Depois quero comunicar uma coisinha, mas uma coisa de cada vez!

  • Na segunda eu falei sobre o filme queridinho do momento, Big Hero (movimento: eu quero um Baymax!);
  • Na terça, teve resenha do terceiro livro do inspirador Nick Vujicic, Superação;
  • Na quarta, respondi uma TAG de dar água na boca, chamada Cardápio Literário;
  •  E na quinta teve mais uma resenha, dessa vez de um livro infantil e super fofo chamado Minha vez de brilhar.

    O que acharam dos posts dessa semana? Sabem que estou sempre querendo ouvir opiniões, né? Adoro pitaco! [smile]

    Mas o que eu queria comunicar é que essa semana tivemos posts todos os dias, de segunda a quinta (sem contar o Follow Friday de todas as sextas-feiras). Isso quer dizer que cumpri (em parte) uma das metas de 2015, que era achar um cronograma de posts para o blog que se encaixasse no meu dia a dia. Ainda falta organizar os posts em categorias, pra não deixar alguns assuntos mofando, mas acho que esse planejamento já é um bom começo.

    Eu testei essa semana e funcionou: no domingo eu faço e programo os posts de segunda a quinta, e na sexta eu faço o Follow Friday. Isso me dá tempo para divulgar e monitorar o blog durante a semana sem o compromisso de ter que postar, e ganho um tempinho nos finais de semana pra descansar e cuidar da minha vida pessoal. É claro que há excessões e às vezes isso pode fugir um pouco do planejado, mas a ideia geral é essa. Espero que eu consiga levar esse plano adiante. E vocês, têm um planejamento de posts no blog? Quero saber, porque foi bem difícil chegar nessa coisa que parece tão… simples! [happy]

    Mas vamos ao assunto de sexta-feira que é Follow Friday! Coloque o seu blog lindo aqui embaixo para divulgá-lo a outros possíveis leitores! E não esqueça de visitar os blogs que já apareceram, porque afinal, blogosfera unida é puro amor! ❤︎


  • Erin E. Moulton – Minha vez de brilhar

    Minha vez de brilhar
    Erin E. Moulton
    Editora #Irado, 2014

    Em uma noite, Indie faz um pedido para uma estrela. Ela quer muito reencontrar a sua lagosta de estimação, e também quer que sua irmã Bibi volte a gostar dela. Mas ter os seus desejos realizados pode exigir dedicação integral! Indie trabalha no teatro durante o dia, mostrando a Bibi e seus amigos o quanto ela pode ser útil. À noite, ela procura sua lagosta perdida, e para isso conta com a ajuda de seu novo grande amigo, Owen. Tudo vai bem até que Bibi e sua turma começam a pegar no pé de Owen, o maior exemplo de nerd e futuro loser. Será que Indie vai conseguir manter em segredo sua amizade com Owen? Será que, para ser uma pessoa melhor, Indie precisa mesmo ser diferente?

    Como eu já tinha lido A Jornada, livro anterior de Erin E. Moulton publicado pela Editora Novo Conceito, eu sabia o que poderia esperar de Minha Vez de Brilhar. A autora é formada em escrita para crianças, e seus dois livros citados aqui têm crianças como personagens principais. Portanto, para uma época em que eu queria uma leitura mais leve, rápida e divertida, esta foi a escolha certa.

    Tendo uma cidadezinha costeira como pano de fundo e peixes como ingrediente especial, a história é contada em primeira pessoa pela versão de Indie, uma menina chamada de “esquisita”, que tem uma lagosta de estimação, usa calças folgadas, tênis surrados, camisetas xadrez abotoadas, faz pedidos para as estrelas e sabe o nome de todos os peixes (citando-os em ordem alfabética quando precisa acalmar os nervos). Essa menina é uma personagem simplesmente encantadora que luta para ser uma pessoa melhor, e tenta de várias formas alcançar esse desejo.

    O problema é que, sendo apenas uma criança, ela não percebe algumas coisas e, no desespero para ser alguém melhor e encontrar sua lagosta recém-perdida, acaba entrando em grandes brigas com sua irmã amante de teatro, Bibi, que resume tudo a “o que importa é quem você conhece”.

    Seu parceiro para tudo no momento é Owen, outro personagem “esquisito” que escreve um livro de observações, tem comentários científicos sobre todas as coisas e fala sobre tudo abertamente, sem rodeios. Eu criei uma simpatia enorme por esse menino, pela sua inteligência e vontade de fazer amizades.

    O livro tem uma leitura fácil por ser mais destinado à crianças. Porém, ele é confuso em algumas partes, como na descrição da construção de uma plataforma ou sobre estratégias e locais da captura da lagosta. Fora isso, a leitura foi sempre muito clara. Apesar de ser escrito para crianças, recomendo a todos os que querem uma história bonita, leve e rápida, por conter ensinamentos básicos sobre família, amizade, autoconhecimento e ainda contar com vários diálogos engraçados. Aposto que você vai curtir essa leitura, pelo menos um pouquinho!

    TAG: Cardápio Literário

    Oi, pessoal! Espero que esteja tudo bem com vocês!

    Hoje eu vim trazer mais uma TAG aqui no blog! Dessa vez não é em vídeo (e é literária, YEY!), mas fiz uma imagem com as respostas pra continuar ficando bem interativo e dinâmico, fugindo um pouco dos textos. Enfim, vamos à tag: quem criou foi a Jéssica, do blog Valeu a pena esperar. Já faz uma eternidade que ela me indicou, e eu fiquei enrolando pra fazer (me perdoa, Jé?). Mas antes tarde do que nunca, e aqui está!

    Achei essas perguntas tão legais e criativas que me empolguei muito na hora de responder – tanto que me esqueci de dar qualquer explicação sobre as escolhas dos livros, mas acho que nem tenho um por quê pra todos. A verdade é que eu teria mais do que uma resposta para cada pergunta, mas como só pude colocar um livro, tive que escolher.

    Sem mais, vejam as minhas respostas:

    E aí, gostaram? Eu não vou indicar ninguém dessa vez, mas se você é bookaholic e quer responder, sinta-se indicado. Depois me avisa que quero ver as suas respostas, tá? [happy]

    Nick Vujicic – Superação

    Superação
    Devoções para uma vida absurdamente boa
    Nick Vujicic
    Editora Novo Conceito, 2014
    160 páginas

    Nick Vujicic sabe que não existe esperança maior do que confiar nos planos de Deus para a sua vida. Nascido sem os braços e as pernas, Nick já vivenciou picos de confiança e também já se entregou ao desespero. E ele superou todas as circunstâncias e barreiras físicas ao abraçar sua fé e compreender o amor sem limites e o poder que Deus concede a todas as pessoas. Agora, Nick deseja que você renove a sua esperança. Em 50 reflexões inspiradoras, ele compartilha uma sabedoria eloquente, adquirida da maneira mais penosa, para ajudar você a encarar os obstáculos com serenidade e coragem.

    Sou fã do autor e evangelizador Nick Vujicic. Desde que li seu primeiro livro, me inspirei por sua história de superação, trazendo os seus ensinamentos para dentro da minha vida, na medida do possível. O primeiro livro, Uma vida sem limites, foi um dos meus livros favoritos do gênero, e depois de lê-lo, emprestei para que várias pessoas pudessem conhecer a vida dele. O segundo, Indomável, foi igualmente bom, mas não tanto quanto o antecessor.

    Neste terceiro livro, encontramos uma espécie de “guia” com ensinamentos sobre os quais viver. Nick fala sobre carreira, felicidade, motivação, esperança, dificuldades, entre tantos outros assuntos e, principalmente, ele ensina como devemos colocar a fé em prática e entregar nossos atos a Deus, para que Ele nos guie no melhor caminho. O autor fala também sobre como sua fé emociona e toca as plateias para as quais ele fala, e ensina o leitor a acreditar nos planos de Deus, pois hoje pode parecer que nossos sonhos são demorados ou nunca vão acontecer, mas Ele tem um cronograma para a vida de cada um de nós.

    “A esperança aparece mesmo nos piores momentos, para nos dar provas da presença de Deus. Continue olhando para a frente, ouse desejar uma vida melhor e busque realizar seus sonhos com toda a sua força.”

    O livro possui 50 capítulos: cada um inicia com um trecho da Bíblia, seguido por uma reflexão inspiradora de Nick sobre o assunto e, finalizando, encontramos “Palavras de Superação” com um parágrafo de reflexão, resumindo tudo o que acabamos de ler. O grande problema que encontrei nessa leitura foi a repetição. Explico: mesmo que seja em outras palavras, Nick contou mais de uma vez como foi difícil seguir o plano de Deus, como sua fé evoluiu e como esse processo lhe trouxe felicidade, além de contar histórias inspiradoras que já estavam em seus livros anteriores.

    Não é, de forma alguma, um livro ruim: Nick é inspirador, isso é fato, e suas palavras têm o poder de tocar as almas e corações que estão dispostos a ouvir. Mas como não se trata de uma história, como nos seus livros anteriores, pode sim ficar um pouco cansativo por não ter uma narrativa. Com isso, somado ao fato de várias partes serem repetidas, esse livro não se tornou o meu favorito dele, mas isso não tira o brilho dessa obra.

    Se você é uma pessoa com a mente aberta, disposta a aceitar Deus na sua vida e tem vontade de ser uma pessoa melhor, leia esse livro. Se não conhece a história de Nick, recomendo que leia, pelo menos, o primeiro livro antes deste. Você vai se surpreender com a forma como Nick consegue fazer piadas sobre sua própria condição e vai se perguntar: “por que eu reclamo do corpo que possuo se Nick, sem braços e pernas tem uma vida esplêndida e abundante em felicidade?”.

    “Você e eu devemos fazer tudo que pudermos para manter viva a alegria da juventude. Se a sua vida anda muito previsível, não fique nervoso. Volte suas atenções para aquilo que deixa sua vida feliz. Pule em uma cama elástica. Ande a cavalo. Dê um tempo da vida adulta. Às vezes é importante ter uma dose de alegria com coisas ridículas. O negócio é curtir a viagem, apreciar as bênçãos e sempre fazer de tudo não apenas para viver, mas para curtir a vida ao máximo.”

    Recomendo que leia esse livro, se tiver interesse no assunto, mas que não tenha pressa. Leia devagar, reflita sobre os ensinamentos e, após isso, coloque-os em prática na sua vida. Espero que consiga, com o tempo, ter uma vida absurdamente boa!

    Resenha de Filme: Operação Big Hero

    Operação Big Hero
    Atores principais (vozes): Ryan Potter, Scott Adsit, Jamie Chung
    Aventura, animação, família, comédia
    Direção: Don Hall
    Duração: 1h42min
    Lançamento: 25 de dezembro de 2014
    Estados Unidos

    Cidade de San Fransokyo, Estados Unidos. Hiro Hamada é um garoto prodígio que, aos 13 anos, criou um poderoso robô para participar de lutas clandestinas, onde tenta ganhar um bom dinheiro. Seu irmão, Tadashi, deseja atraí-lo para algo mais útil e resolve levá-lo até o laboratório onde trabalha, que está repleto de invenções. Hiro conhece os amigos de Tadashi e logo se interessa em estudar ali. Para tanto ele precisa fazer a apresentação de uma grande invenção, de forma a convencer o professor Callahan a matriculá-lo. Entretanto, as coisas não saem como ele imaginava e Hiro, deprimido, encontra auxílio inesperado através do robô inflável Baymax, criado pelo irmão.

    Operação Big Hero foi o primeiro filme que assisti em 2015, e posso dizer que comecei com o pé direito! Já tinha ouvido comentários muito positivos sobre o filme, e inclusive ele entrou na lista dos “melhores de 2014″ de algumas pessoas. Por isso, quando tive que escolher dentre um dos filmes em cartaz para assistir, escolhi Big Hero sem esperar muito. Que diversão!

    Pra começar, a história se passa na futurística cidade de San Francisco invadida por japoneses, agora chamada de San Fransokyo. Vocês sabem do meu amor por essa cidade, então já imaginam que meus olhinhos brilharam já nos primeiros segundos do filme, que abre com uma linda visão da ponte Golden Gate (agora meio estilizada em estilo japonês, mas ainda linda). Conhecemos Hiro Hamada e Tadashi Hamada, dois irmãos que perderam os pais e vivem com sua tia. Tadashi, o mais velho, estuda na escola de robôs da cidade e tenta com todas as forças levar Hiro para lá, enquanto Hiro, que se formou na escola aos 13 anos, passa seu tempo construindo robôs para lutar nas robô lutas clandestinas. Com um trágico acontecimento, Hiro se vê tomando conta de um robô de balão gordo, fofinho e muito engraçado chamado Baymax, “o seu agente pessoal de saúde”.

    Muito, muito fofinho!

    Baymax foi construído para atender as pessoas assim que elas falassem “ai” – uma interjeição de dor. A invenção é muito útil para muitas pessoas, pois ele pode escanear um ser humano e saber por qual problema físico ele está passando, prescrevendo-lhe um tratamento. Só que no decorrer da história, Hiro precisa fazer Baymax aprender umas coisinhas que, bem… não estavam exatamente no seu vocabulário médico para, junto a alguns amigos nerds da escola (e que não parecem nada com super heróis), salvarem o mundo de um vilão que pretende destruir esse paraíso futurista.

    Esse foi um filme que quase me arrancou lágrimas de tristeza e emoção, mas que depois me arrancou lágrimas de riso - de verdade, chorei de rir várias vezes! Baymax rouba a cena com seu corpinho fofo, enorme e engraçado, e tenho certeza que todos que assistem ficam querendo um Baymax para si. (Fazendo greg, greg, greg a cada passo, raspando os balõezinhos das pernas gorduchas, haha! [smile] ). Os amigos de Hiro não ficam pra trás: com um estilo totalmente diferente uns dos outros, eles arrancam boas risadas do público!

    Fazia um bom tempo – desde Frozen, mais especificamente – que não via uma animação tão boa. Recomendo de olhos fechados. É um filme que reúne comédia, aventura e o poder da amizade, e que é indicado para toda a família!

    Trailer

    1 2 3 4 5 131