Bruna Vieira – Depois dos quinze

Publicado em 23.01.17

Depois dos quinze
Quando tudo começou a mudar
Bruna Vieira
Editora Gutenberg, 2012

Bruna Vieira tem 18 anos, é colunista da Revista Capricho e dona de um blog chamado Depois dos Quinze. Começou a escrever porque descobriu que o amor da sua vida era na verdade o amor de uma das centenas de fases que ela já viveu. Desde então, com a ordem das palavras escritas e compartilhadas nas redes sociais, Bruna superou a timidez, viajou para a Europa, fez duas tatuagens, mudou de vez para São Paulo e tornou-se uma das adolescentes brasileiras mais influentes da internet com milhares de fãs-leitoras-amigas-seguidoras. Nesse livro você encontra uma mistura de histórias, desabafos e segredos de uma garota que nasceu no interior, ama animais, usa boinas coloridas e ainda acredita no amor simples e verdadeiro.

Imagino que todos vocês devem conhecer a Bruna Vieira. Porém, para quem viveu no mundo da Lua nos últimos anos, a Bruna é a blogueira do Depois dos Quinze, blog que nasceu fruto de um pé na bunda – de forma bem direta mesmo. A verdade é que a moça, lá da cidade de Leopoldina, interior de Minas Gerais, estava tão desiludida com o amor, que precisava de um lugar pra escrever textos e desabafar o que ia em seu coração. Alô blogueir@os, quem se identificou? ;P Foi assim que surgiu o Depois dos Quinze que, alguns anos depois, se revelaria a sua fonte de renda e a origem de tantas mudanças em sua vida.

Quando a Bruna de mudou pra São Paulo, muitas coisas começaram a acontecer, inclusive a oportunidade de escrever seu primeiro livro de crônicas, intitulado simplesmente de Depois dos Quinze, pela editora Gutenberg – a mesma que publica sucessos de Paula Pimenta, por exemplo. Eu conheci a Bruna na Bienal do livro do Rio em 2013 e ela é uma fofa. *-* Tive seus dois primeiros livros autografados, que estavam guardados na minha estante até hoje, quando finalmente peguei o primeiro pra ler.

O livro é escrito para meninas e composto de crônicas curtas – somente a última é bem mais longa, e conta uma história mais complexa – e geralmente eles giram em torno de garotos, adolescência e esse período da vida em que os jovens estão em dúvida sobre tudo na vida. Um ponto positivo do livro é que ele é rápido de ler. Como são contos, lemos um após o outro, e quando nos damos conta, já se foram várias páginas. Porém, o ponto negativo fica por conta da superficialidade de todos os contos.

Não me entendam mal, eu li com 25 anos e pode ser que, por este motivo, eu não tenha me identificado com as crônicas escritas pela Bruna. Pode ser que uma menina mais nova, de seus 15 anos, vai identificar com o que está naquelas palavras porque ela está vivendo aquelas situações. Porém, eu compartilho a mesma opinião da minha irmã, que quando leu tinha seus 18 anos: as crônicas são rasas demais e não dizem muita coisa. Seria interessante se a Bruna alterasse um pouco os assuntos, pois ler tantas crônicas de meninas sofrendo pelo garoto que as fez sofrer é um tanto… sofredor. :|

Acho que a Bruna tem uma mão incrível para a escrita, mas falta ainda um pouco de amadurecimento para que ela consiga, digamos, seguir uma linha de pensamento mais clara. Acho que ela escreve com muita sinceridade, com toda a alma e coração, mas é justamente isso que, talvez, atrapalhe. É difícil acompanhar a linha de raciocínio, pois às vezes não consigo enxergar aonde ela quer chegar. Não vou dizer que o livro não é bom; ele é, para o seu público alvo bem específico. Se você é uma menina de 14, 15 anos e está sofrendo por um menino que ainda ama, talvez este livro te coloque pra cima e te faça enxergar seu próprio valor. ;)

Post anterior
Próximo post
 

Deixe o seu comentário!

|D xO xD x( D: ;P ;) :| :O :D :* :) 8) *-*

6 comentários

Patricia Leardine

23/01/2017

Eu já passei diversas vezes pelos livros da Bruna na livraria, mas sentia que havia muito dessa tonalidade adolescente que, talvez para mim, não faça mais sentido. Gosto do trabalho dela no canal e no blog, ainda que agora sejam mais os posts das colaboradoras.

● Responder

Marcele

24/01/2017

Gabi, minha linda, que saudades! O blog tá liiiiindo. Vi a resenha no feed do face, tive que vir porque já li o DDQ quando lançou. Tive uma opinião muito parecida com a sua, e confesso que não li o livro inteiro porque a repetição do tema me cansou. Mas também senti isso que você disse de haver potencial ali se algumas coisas forem amadurecidas e lapidadas. Espero muito que a Bruna consiga porque ela parece ser um amor, e os jovens a escutam. O tanto que ninguém conseguirá dizer a eles, ela conseguirá. Então torço muito pra que se aprimore cada vez mais e os nutra com as palavras de que tanto precisam. *-* Como sempre, amei a resenha. Beijo! :*

● Responder

Estefânia Prates

07/02/2017

Gabi, adorei o livro. A capa é lindíssima. Ainda não li nada da Bruna, e acho que não poderia começar por esse livro rrsrs é muito sofrimento e eu já estou sofrendo então deixa quieto kkkk

Mas quem sabe as adolescentes não gosta mais, né? EU já vou fazer 24 anos, então não dá kk
Bs

● Responder

Gabi Orlandin

Gabi Orlandin

February 12th, 2017

Hahaha, entendo o que você quer dizer. Vou ler os outros dois livros dela que tenho na estante, aí vou contar aqui no blog como é a história. Talvez não seja tão sofrido, haha!
Beijo.

● Responder

Yarima Barros

07/02/2017

Quero muito ler! Acompanho ela a um tempão mas nunca li ;x

● Responder

Gabi Orlandin

Gabi Orlandin

February 12th, 2017

Oi, Yarima!
Acho que é uma boa leitura pra quem acompanha o blog, principalmente lá do comecinho, pois são crônicas que ela costumava postar por lá. ;)

● Responder

Subir!