Posts da categoria

Arquivo pessoal

Textos e reflexões pessoais.


Pra poder ver a paisagem

Publicado em 07.09.16

Em algum momento da vida, nós temos que parar de acelerar. Chega uma hora em que precisaremos pisar no freio, reduzir a velocidade e respirar fundo. Tudo fica tão acelerado, tão atropelado, que a gente vai cada vez mais rápido – e nem percebe isso. Sempre achamos que dá pra fazer mais alguma coisa; que dá pra incluir mais afazeres. Mais um emprego, mais um compromisso, mais um curso, mais alguma coisa. Mas chega um momento que não dá mais.

Venho atropelando a minha vida há anos. Mais especificamente desde o meu TCC, lá em 2013, quando eu dizia que não sobrava tempo pra nada. Eu achava que conseguia conciliar as coisas, e com o passar dos meses até então, quando eu achei que o pós-TCC seria mais tranquilo, só tenho me enfiado em mais e mais coisas. Eu achei que era de ferro, achei que conseguiria suportar a pressão, que seria moleza lidar com tudo – às vezes ao mesmo tempo. Mas chegou a hora em que precisei dizer basta.

Eu tenho vivido com dois empregos, um deles próprio, que demanda muito esforço, dedicação e energia. Por mais que a gente ame o que faz, por mais que façamos com todo o coração, tem uma hora que a energia esgota. Tenho vivido com a falta de tempo pra tudo, com a pressão de ler livros para o blog, responder leitores, ajudar a família com o negócio deles. Cada um me puxa de um lado, e eu vivia me esticando. Pra cá, pra lá, e eu achava que seria passageiro. Neguei várias propostas, alegando que até o final de 2013 tudo estaria mais calmo. Depois, até o início de 2014. Mas eu viajei, então pulou para 2015. Com o intercâmbio, o tempo livre passou a ser um plano para depois da viagem. Eu vinha evitando o meu tempo de lazer, meus momentos livres com a família. Eu vinha evitando a minha própria vida em prol de querer fazer tudo, de abraçar o mundo.

Mas eu pisei no freio. Pisei legal.

Eu não preciso ter dois empregos. Eu posso viver bem – e bem melhor – fazendo algo que eu amo, mesmo que pague menos. Eu não preciso engolir sapos, aceitar de boca fechada o que os outros me dizem ou, ainda mais importante, eu não preciso me limitar a algo que os outros dizem que é o certo pra mim. Quem sabe o que é certo pra mim sou eu mesma. Se eu achar que o certo é viver com pouco, eu vou. Se for criar algo próprio e ver a semente florescer, eu vou fazer isso. Poxa, o que eu achar que é o meu negócio, a minha praia, a minha paixão… então é isso o que eu vou fazer!

Chega um momento em que não dá mais pra suportar algumas situações. A gente começa a perceber que o momento de sufoco já deveria ter terminado faz tempo, e então chuta o balde, estufa o peito e segue em frente.

Porque de gente regrada o mundo está cheio. De gente limitada o mundo não precisa mais. Vou é me reinventar e viver o que a vida reservou pra mim, fazendo com que o tempo se multiplique, e não mais passe voando sem que eu tenha tempo de ver a paisagem.

É uma nova fase que está para começar. São novos ares, novos pensamentos e novas responsabilidades. Vou viver para mim, vou dedicar a minha energia e o meu tempo naquilo que estou semeando para mim, e não mais para os outros. O Fluffy acompanhou essa passagem. Com o passar do tempo, ele foi ficando de lado. Eu lia cada vez menos, os posts eram cada vez mais escassos (e por quê não dizer robóticos?) e, no final, eu quase desisti.

Lembram o que eu escrevi sobre viver na pressão de ler livros? Eu não quero mais isso pra mim; eu vou ler o que eu quero ler. Quantos livros eu comprei e estão parados na estante? (Aliás, essa questão rende um post inteirinho, pois conheço outras pessoas no mesmo barco!). Essas mudanças no Fluffy – que nem são tão grandes, mas simbolizam de forma muito sutil o meu crescimento – vêm de encontro com uma nova fase da minha vida real. Espero que eu consiga fazer do Fluffy um blog mais pessoal, e que eu sinta prazer em escrever e trocar ideias. E, claro, espero que vocês se identifiquem e gostem também.

Ah, e se vocês acharem muito complicado escrever o nome do blog, podem simplesmente acessar gabiorlandin.com.br! *-*

Gabi Orlandin
Post escrito por: Gabi Orlandin

Quando eu comecei a amar maquiagem e cuidados com a pele

Publicado em 18.03.16

Antes de começar esse post, quero agradecer a todas as pessoas lindas que comentaram no post anterior. Eu abri meu coração, falei sobre quanto eu amo o blog mas que, ao mesmo tempo, ele estava me fazendo pressão demais. Vocês não só me entenderam, mas me apoiaram. Fiquei imensamente feliz com todas as mensagens de carinho de vocês. Vou responder um por um!

E se você não entendeu o assunto desse post, dá uma lida naquele mesmo post (clique aqui!).

Há vários anos, na minha adolescência, eu amava maquiagem. Em especial lápis preto, rímel e muita maquiagem pesada nos olhos (eu era meio roqueira naquela época, imaginem só!). Fato é que, depois de um tempo e até um ano atrás, eu já não me interessava mais por maquiagem ou cuidados com a pele. Para mim, fazer uma maquiagem significava: uma base (eu tinha uma horrível que não cobria nada e ainda deixava o rosto oleoso), rímel, batom e aquele tantinho de sombra que a gente nem vê. :| De vez em quando eu caprichava um pouco mais e, como não sabia fazer direito, achava que aquela cobertura estava legal. Mas não estava muito legal, não. Então, depois de várias tentativas fracassadas, acabei começando a sair de cara lavada mesmo.

Falei um pouco sobre isso nesse post, lá de 2014. Naquela época eu não costumava sair com maquiagem; acordava, lavava o rosto e encarava o dia. Quando eu usava rímel, é porque eu estava inspirada mesmo! Por um lado isso é um tanto libertador, vou dizer. Quando eu me sentia cansada, lavava o rosto e voilà, nova em folha! E o fato de não precisar me preocupar se o rímel estava borrado ou se o batom estava fraco também tem as suas vantagens, admito. Mas muita coisa mudou desde agosto do ano passado.

maquiagem mary kaymaquiagem mary kay

Uma Consultora de Beleza da Mary Kay me visitou em agosto para me mostrar os produtos. Vários de vocês devem conhecer como funciona: as consultoras da marca vão até a casa das amigas ou potenciais clientes para fazer a demonstração de alguns produtos. Eu estava mesmo procurando uma consultora porque queria uma nova base, e a visita caiu do céu, juro. Naquele dia, resolvi dar um voto de confiança para a Mary Kay, porque eu vi o resultado no meu rosto e estava completamente encantada. Enfim, naquela noite a consultora me ofereceu a Oportunidade Mary Kay: a chance de trabalhar com os produtos, ser uma consultora e ter o meu próprio negócio independente. Tímida como sou, neguei na hora. Até porque tenho meu emprego de mais de 8 horas por dia e mais a Enluaze. Imagina eu, com mais um negócio e ainda vendendo produtos de beleza! Eu que nem sei passar sombra direito! Mas o assunto nunca saiu da minha cabeça.

No final de fevereiro desse ano, o assunto voltou com tudo. Depois de muito pensar, eu já tinha resolvido fazer o meu cadastro pra comprar pra mim mesma e, quem sabe, vender para as mulheres da minha família. Só que, com o tempo, estudando sobre todos os produtos e indo a uma reunião, eu percebi: UAU, essa empresa é fantástica! *-* Em um piscar de olhos eu tinha me tornado uma Consultora de Beleza Independente e estava animadíssima pra contar a novidade pra todas as amigas e ajuda-las a ficarem lindas com os produtos! Porque é assim mesmo: a gente ama tanto que acaba indicando assim, sem querer. *-*

Então, essas últimas semanas foram uma loucura (no bom sentido). Estive aprendendo bastante coisa (ainda não sei quase nada, mas estou no caminho), planejando o primeiro pedido, e divulgando a novidade para as pessoas mais próximas. Eu ainda não sei aonde isso vai dar, se vai dar certo ou não, mas uma coisa já está confirmada: estou apaixonada pelos produtos, me sentindo bonita e querendo conhecer cada vez mais! E, por este motivo, vocês verão alguns (ou muitos) posts sobre maquiagem e cuidados com a pele aqui no blog. :)

Ah, e como se não bastasse tudo o que tenho pra fazer – trabalho, loja virtual, blog e agora Mary Kay – também temos uma viagem para programar! Eu e o Doug vamos fazer um intercâmbio no mês que vem, e eu vou contar tudo pra vocês em um próximo post! ;)

Enfim, estou planejando várias coisinhas legais para o blog nas próximas semanas, então espero que vocês tenham gostado da novidade! Me contem o que acharam nos comentários, ok? :)

Gabi Orlandin
Post escrito por: Gabi Orlandin

Então é isso: o Fluffy vai evoluir

Publicado em 14.03.16

Fiquei ausente do blog durante a semana passada. E, falando a verdade, mesmo na anterior os posts saíram só porque já estavam prontos, e porque foi rapidinho editar e publicar (é feio, eu sei e admito). Mas, por mais que eu tenha conteúdo pronto, não consegui postar na semana passada. E vou (tentar) explicar a razão. E é isso aí: senta que lá vem textão!

O Fluffy foi criado para ser um blog pessoal. Ele aborda livros porque eu comecei a gostar de ler quase na mesma época em que criei o blog. Ele cresceu nesse nicho porque leitores de todas as partes do país se identificavam comigo, em uma época em que a literatura estava tomando forma, e tantos leitores estavam descobrindo o prazer da leitura. Isso foi fantástico, vocês não têm ideia! A minha vida mudou por causa do blog. Não só porque agora tenho uma estante repleta de livros, resultado das várias parcerias incríveis que fiz durante o caminho (e algumas das quais preservo hoje), mas pelo conhecimento que esse mundo todo me proporcionou. A leitura não é somente as horas prazeirosas que você passa na companhia de uma história. Na maioria dos casos, você sai diferente de como entrou: mais evoluído, mais consciente de algumas coisas, mais sensível sobre outras. A leitura nunca deixa você ficar na mesmice, e é por isso que o blog mudou a minha vida: ele me proporcionou histórias que eu, no meu mundinho, não teria tido acesso se não fosse por esse ambiente virtual.

Porém, há muito tempo ando desanimada com a blogosfera (vou resumir a isso, porque renderia outro post inteiro!). Muitas vezes li por obrigação e me privei de horas com os amigos ou família porque precisava terminar a tal leitura (quantas e quantas vezes eu fiz isso!). E os livros que eu comprei? Aqueles que eu comprei porque estava louca de vontade de ler? Esses estão ainda na fila, há anos, esperando aquela oportunidade de leitura que parece nunca chegar, pois sempre há coisas mais urgentes na frente. E isso cansa, sabe? O fato de você remar, remar e nunca chegar a lugar algum. O privilégio de viver do blog é de pouquíssimos, e eu não sou uma dessas pessoas, então cansa você chegar de um dia cheio e precisar ler um número x de páginas e postar aquele post incrível pra que no final… não dê quase nada. :( Por isso, resolvi mudar o foco. Resolvi fazer as coisas pra mim, POR MIM. Os livros sempre farão parte da minha vida; sempre terá um livro dentro da minha bolsa (porque eu simplesmente não consigo ficar parada sem nada pra fazer). Mas as leituras não podem ditar o meu caminho.

Nessas últimas duas semanas longe do blog, eu sentia que, independente do que eu postasse aqui, não seria de coração, de verdade. Como eu disse, o blog foi criado para ser pessoal, e já faz um bom tempo que não consigo sentir isso. Não, não foi nessas duas semanas que me senti longe do blog. Só Deus (e meu namorado) sabem quantas vezes pensei em desistir, pois simplesmente não via mais sentido em continuar. Mas segui em frente. E hoje eu mudei um pouco.

E é sobre isso que quero falar: sobre mudanças.
É sobre o que está acontecendo comigo, e sobre o que vai refletir no blog.

Eu acredito que existe momento pra tudo na nossa vida e, assim como uns vêm e vão como num piscar de olhos, outros duram um tempo maior. Porém, tudo acaba mudando, nada fica exatamente o que sempre foi. Com o passar do tempo – dias, meses, anos, ou o que for – a gente percebe que, por mais que sempre tenhamos nos apegado a uma coisa, a uma prática ou comportamento, isso acaba evoluindo. Acho que a gente acaba tomando gosto por outros interesses (alguns que não costumavam ter nada a ver com nossa personalidade, até) e percebe que o mundo não é apenas aquele que a gente enxergava antes. O mundo pode ser muito maior, porque não há limites quando a gente sonha.

Muitos irão achar estranho e deixar de seguir o blog, alguns vão aceitar, alguns talvez adorem, mas a partir de hoje, o Fluffy não será mais estritamente literário.

Tudo bem, eu já faço looks do dia de vez em quando, mas a principal veia aqui ainda eram os livros – ou assim era na minha cabeça, não sei. Fato é que não quero mais que seja dessa forma. Não quero mais ter que pensar: “será que esse tipo de post combina com o blog?”. Porque, se eu quero falar sobre isso, combina! Vou falar sobre livros? Sim, tenho uma centena de livros pra ler ainda, e eu AMO ler! Mas também quero falar sobre as coisas novas que venho descobrindo na minha vida: viagens, moda, beleza, comportamento e muito, muito mais! O mundo não pode ser fechado dentro das paredes do meu quarto, enfiado dentro de um livro qualquer. Ele é amplo, a minha vida é grandiosa. Por que o blog seria diferente?

Tenho sonhos para alcançar, e eles não cairão de paraquedas.

Então, a partir de agora o Fluffy vai crescer. Você achava que eu ia abandonar? Não mesmo! Eu quero fazer com que ele alcance um horizonte maior, com caminhos mais amplos e assuntos que tenham tudo a ver comigo. Que ele seja mais pessoal, que não se importe com prazos e regras, que não espere aprovação e nem ofereça expectativa; quero criar um conteúdo mais próximo, mais real, menos padrão, mais eu. Vai ter de tudo o que eu quiser, vai ser tudo o que eu quero que ele seja, porque eu sou assim, um montão de lados em uma pessoa só.

Assuntos: ,
Gabi Orlandin
Post escrito por: Gabi Orlandin

As pequenas alegrias de um ano incrível

Publicado em 30.12.15

feliz ano novoFoto: kaboompics.com

O ano, como ouvi uma pessoa especial dizendo, não é medido somente pelo dinheiro, pela economia e pelas porcentagens de crescimento. 2015 não foi um ano fácil, mas como fazemos para calcular o nosso crescimento? Se aconteceu algo difícil, se houve um obstáculo no caminho, nós geralmente vamos lembrar disso no final do ano, e concluir que foi um ano complicado, não é mesmo? Mas vem cá: como você saiu dessa situação? O que você aprendeu com isso? Quanto cresceu com isso? Esse tipo de coisa a gente não põe na balança, mas deveria.

Um ano é medido por sorrisos, por pequenos momentos, por abraços, por afetos momentâneos. É quase impossível que alguém tenha um dia em que tudo é ruim, quem dirá um ano inteiro. Nós não somos felizes cem por cento do tempo, pelo contrário: a nossa felicidade é medida por pequenas alegrias que fazem o nosso dia especial.

Se hoje foi um dia ruim, pense naquele minuto que você ouviu uma música linda; ou quando alguém que você não via há muito veio falar com você. Quem sabe você só encontrou aquele chocolate maravilhoso no supermercado, ou viu que uma flor linda nasceu no seu jardim. São detalhes pequenos, que passam despercebidos, que deveriam fazer os nossos dias brilharem e, consequentemente, são esses momentos que devemos relembrar nesse momento e sempre.

Então, por mais que em 2015 você tenha tido todas as dificuldades do mundo e mesmo que tudo tenha dado errado do seu ponto de vista, pense nas pequenas mágicas do dia a dia, aquelas que costumamos não lembrar. Agarre-se a esses momentos e faça deles muito, muito maiores e mais poderosos do que qualquer pensamento ou lembrança negativa que há dentro de você. Em 2016, deixe-se mudar, evoluir. Deixe-se reconstruir e valorize cada pequena parte de ser quem você é, independente de qualquer coisa. Ame-se, acima de tudo!

Muito obrigada a cada um de vocês que esteve comigo neste ano que está terminando. Cada comentário, cada visita significa muito pra mim, e sou muito grata a todos que visitam o Fluffy. Vocês são muito especiais pra mim e, como recompensa, estou sempre pensando em posts diferentes pra trazer pra cá. Mas a verdade é que não tenho como agradecer por tanto carinho! *-* Desejo que vocês tenham um 2016 incrível, cheio de surpresas maravilhosas!

Em 2015 eu…

  • Viajei para o Rio de Janeiro;
  • Subi no Cristo Redentor pela segunda vez e descobri que é a mesma emoção da primeira;
  • Chorei ao acender uma vela – é bobo, eu sei, mas significou muito pra mim;
  • Fui à Bienal do Livro e conheci pessoas incríveis;
  • Li livros incríveis;
  • Assisti filmes engraçados, emocionantes e divertidos;
  • Desejei e alcancei um sonho (ou vários);
  • Abri minha loja virtual;
  • Tirei férias e li 15 livros em 13 dias;
  • Me tornei uma pessoa com mais voz e opinião;
  • Mudei o cabelo e me senti muito melhor;
  • Comecei a me preocupar mais comigo mesma;
  • Ao mesmo tempo, parei de me preocupar tanto com o que os outros pensam de mim;
  • Fiz um cronograma de muitos posts e tive que abandonar – mas aprendi a respeitar meus limites;
  • Comecei a não ter vergonha de dizer que tenho um blog (estou no processo, já chego lá!);
  • Eu não me lembro das promessas de 2015, mas aprendi a não prometer tanto e viver mais;
  • Fiquei longe do blog e aprendi que não consigo abandonar por completo;
  • Deixei a vergonha de lado e fiz looks do dia para o blog;
  • Aprimorei minhas fotografia e aprendi a usar o Lightroom;
  • Tive muitos momentos tristes, mas tantos outros de alegria!
  • E aí, como foi o balanço do seu 2015?

    Gabi Orlandin
    Post escrito por: Gabi Orlandin

    #Fluffy5anos – Dia 4: 5 anos em 10 posts

    Publicado em 13.11.15

    Olá, gente!

    No post de ontem eu falei sobre o aniversário do blog, mas para quem não viu, é o seguinte: o Fluffy está completando 5 anos no dia 16 de novembro e, por isso, estou fazendo uma série de posts de retrospectiva para comemorar essa data tão especial. *-* Serão 5 posts, do 5 ao 1, sendo que o último será um super sorteio. No post de ontem o assunto foram livros: 5 anos em 5 livros. O de hoje será um pouquinho diferente. Vamos ver?

    Hoje vou desenterrar aqueles posts mais especiais e significativos desses cinco anos. Assim como a escolha dos livros, foi bem difícil escolher apenas um post, então dessa vez teremos dois posts para cada ano. Não tem post sobre livros ou resenhas, só assuntos mais variados mesmo, da minha vida pessoal ou coisas que achei interessantes. Quem é leitor mais antigo talvez se lembre de alguns, mas para quem começou acompanhar o blog há menos tempo, é bem legal ver a evolução nos posts e na forma de escrever. E que bom que a gente evolui, né? ;)

    Então, vamos conferir quais foram alguns dos posts e acontecimentos mais legais desses 5 anos?


    2011

    2 anos e 5 meses de namoro: esse post é um tanto especial pra mim, pois me lembra daquela época em que os blogueiros escreviam mais sobre si mesmos, sabem? Eu ainda adoro escrever textos assim, mas perdi muito da prática. Além do mais, esse é um dos posts mais visualizados do blog, acreditem se quiserem, hehe! :)

    Viagem a Buenos Aires: essa viagem foi um tanto especial e muito engraçada, por conta dos amigos que foram comigo. Quando eles vão junto, é diversão na certa! Então, esse post me lembra daquelas férias ótimas que passamos juntos.


    2012

    Minha visita à Editora Novo Conceito: eu tinha planejado uma viagem para Ribeirão Preto, e é claro que dei uma de metida e pedi para visitar a editora, que é de lá. Gente, eles me trataram SUPER bem, fui muito bem recebida e fiquei encantada com tudo o que vi. Simplesmente fantástico!

    Minha pequena viagem a Buenos Aires: vocês vão dizer: mas a Gabi gosta dessa cidade, hein! A verdade é que já fui umas quatro vezes e sempre encontramos coisas diferentes pra fazer. Dessa vez, foi apenas um final de semana com meu namorado, minha irmã e minha mãe. Só uma pequena recordação. *-*


    2013

    Minha formatura, parte final – fotos da festa: ai gente, esse post é muito, mas muito especial! E quem não falaria sobre a própria formatura e ficaria feliz, né? Eu já sinto saudades de tudo isso – mas só da festa mesmo, sem toda parte de estudar, haha!

    Os projetos mais inspiradores da Revista Sorria: essa publicação é muito amor, gente! Nesse post eu falei sobre os projetos mais bacanas que eles estavam fazendo em 2013, e um deles era o 365 sorrisos, que consistia em uma imagem por dia. Eu acompanhei tudo e tenho todos guardados pra me inspirar.


    2014

    Como eu decorei meu quarto gastando pouco: esse foi um dos posts que eu mais gostei de fazer, e que os leitores mais procuram também! Quando decorei meu quarto, eu procurei gastar o mínimo possível e deixá-lo bem a minha cara. Nesse post eu mostrei o resultado.

    Diário de Viagem – San Francisco, California: pára tudo porque agora estamos falando de algo REALMENTE incrível! Em 2014 viajei para os EUA e depois contei um pouco de tudo o que aconteceu aqui no blog. San Francisco foi a cidade que mais me deixou apaixonada. Ah, que saudade…


    2015

    Look: dia de sol e bolinhas: em 2015 eu comecei a postar looks do dia, um projeto que eu já vinha matutando há muitos meses. Gosto de postar combinações de roupas que uso no dia a dia, que fazem meu estilo.

    Vem conhecer a Enluaze, minha loja virtual: esse é, provavelmente, um dos posts mais incríveis que já fiz. (Eu sei que já falei isso muitas vezes hoje, mas considerem agora pra ESSE post, haha!). A Enluaze é a loja virtual criada por mim e meu namorado, e apesar de todo o trabalho, tem nos dado muito crescimento e alegria. :) Neste post, eu falei sobre a inauguração.


    Eu espero que vocês tenham gostado dessa cápsula do tempo tanto quanto eu! :D É bom retornar ao passado, de vez em quando, e ver o que a gente fez de melhor. E me contem: destes dez, qual foi o post que vocês mais gostaram?

    Ah, e não esqueçam de voltar aqui amanhã, porque teremos o post do dia 3! :)

    Gabi Orlandin
    Post escrito por: Gabi Orlandin
    Subir!