Douglas Edwards – Estou com sorte

resenha do livro Estou com sorte

Estou com sorte
Douglas Edwards
Editora Novo Conceito, 2012
477 páginas

Douglas Edwards oferece uma primeira visão por dentro do que era ser um ‘Googler’. O leitor é convidado a experimentar a mistura de camaradagem e competitividade enquanto Larry Page e Sergey Brin, os jovens e idiossincráticos parceiros da empresa, criavam uma estrutura famosa pela sua não hierarquia, pela luta contra a sabedoria convencional, e a corrida para implementar uma miríade de novos recursos, enquanto, tranquilamente enterravam ideias passadas e produtos danificados. ‘Estou Com Sorte’ pretende capturar a cultura autoinventada da considerada mais transformadora corporação do mundo e oferecer um acesso às emoções e as tensões experimentadas por aqueles que construíram o Google.

Que o Google não é uma empresa convencional, todos sabemos. A inovação de seus produtos, a comunicação com seus usuários, a ousadia de seus novos projetos e inúmeros outros fatos comprovam que o Google é um serviço que chegou, em 1999, para mudar o mundo da internet e a forma como temos acesso à informação.

Douglas Edwards ingressou no Google neste ano, abandonando um emprego fixo para arriscar-se em uma startup definida como sendo uma empresa de busca, desconhecida no Vale do Silício, meio incerto se ela teria futuro e se ele não estava perdendo tempo e dinheiro. Ele não só estava enganado, como o Google cresceu em proporções gigantescas em poucos anos, tornando-se uma empresa de impacto global não apenas de busca, mas de serviço, revolucionando a forma como lidamos com a internet. Douglas saiu da empresa em 2005, e em seu livro, “Estou com sorte“, ele nos conta com detalhes o período de cinco anos que passou sendo funcionário do Google, tomando conta do marketing e da marca e dando vida à voz que da empresa para com o público.

Em suas quase 500 páginas, este livro é uma fonte de conhecimento incrível. Mesmo contado pela visão do marketing, temos uma noção geral de como o Google conseguiu crescer e tornar-se o que é hoje. A ferramenta de busca do Google é única e a melhor do mercado, escrita por um de seus fundadores, Larry Page, enquanto ele ainda estava na faculdade. Breve explicação: Enquanto outras ferramentas de busca utilizavam métodos simples e não eficazes para entregar resultados aos usuários, o Google inovou ao construir um algoritmo que classifica determinada página através de indicações, avaliando o quanto esta página em questão era importante. Esse algoritmo era chamado de PageRank.

“A abordagem inovadora do PageRank era olhar os sites que se conectavam a uma página em particular para determinar quantos outros sites consideravam esta página oficial ou importante.” Página 483.

O único ponto negativo foi o excesso de detalhes e termos técnicos que tornou o livro maçante em muitos momentos. Douglas relata seus anos no Google e quase todos os obstáculos pelos quais a empresa passou durante este tempo. Porém, alguns desses detalhes foram irrelevantes e não precisariam ser tão aprofundados como foram. O autor também avançou e depois voltou muito no tempo, deixando o leitor por vezes perdido na leitura, apesar da escrita ser bastante clara. O livro poderia ter menos páginas e ser igualmente sensacional. Infelizmente isso me deixou um pouco desanimada, ao ponto de quase ter vontade de largar o livro (exceto pelo fato de não conseguir fazer isso, pura e simplesmente, e porque o Google em si possui uma história espetacular).

Apesar disso, a história é válida de ser conhecida. Se você quiser ler este livro – e eu digo que vale a pena, apesar da nota – leia em partes, leia junto com outros livros de ficção ou outros temas, e não tenha pressa: se você se sentir pressionado, vai parecer que a leitura não termina nunca. Se você fizer isso, vai descobrir uma trajetória fantástica e inspiradora que é a do Google, seus visionários fundadores e toda a equipe que colocou as ideias em funcionamento. Leitura recomendada, mas apenas para quem tem paciência, não se irrita com muitos detalhes (às vezes repetitivos), e tem tempo para saborear aos poucos, sem pressa de terminar.

“Aprendi que soluções óbvias não são as únicas, e escolhas ‘seguras’ nem sempre são as melhores.” Página 310/311.

POSTS RELACIONADOS

7 comentários

  1. Responder

    Yassui Fortes

    11/11/2013

    [omg] É a segunda resenha que leio do livro, e como adoro historias, acredito que vale apena conhecer esta leitura.

  2. Responder

    luna grilli

    11/11/2013

    Não é um tipo de leitura que pegaría para apreciar. Com toda certeza o Google deve ter uma história e fonte de conhecimento incrível. O máximo que faria seria ler apenas para passar o tempo. E… Essa sua dica de ler 2 livros ao mesmo tempo pra nao deixar a leitura maçante… porque não pensei nisso? Estou lendo um livro e não vejo a hora de terminar. Obrigada pela “dica”, Gabi! Beijinhos.

  3. Responder

    André

    12/11/2013

    Bom, o problema desses livros mais focados em descrever processos, etc, que a pessoa viveu – bom, ela viveu aquilo, só ela pode julgar o quer transmitir e repassar ou não. E cada um de nós vai escolher o que gostaria de absorver ou não, e às vezes o que queremos são coisas mais objetivas rs Mas não é assim que funciona, não é assim que as coisas se criam. Então, acho válido! rsrsrs

  4. Responder

    Gladys Sena

    12/11/2013

    Essa leitura parece interessante, mas não tenho curiosidade para lê-la.

    Bjo!

    http://meuhobbyliterario.blogspot.com.br/

  5. Responder

    Mirelle

    13/11/2013

    Oi Gabi, lendo a sua resenha tive a impressão do livro ser quase que um diário, um livro de memórias do Douglas, por assim dizer.. aquele livro que escrevemos para nós mesmos, como um registro, um desabafo, mas que por falar de uma empresa tão conhecida como o google, acabou se tornando vendável. De qualquer forma, assim como você, fiquei interessada em descobrir os pormenores por trás dessa grande e bem sucedida empresa. Valeu a dica, principalmente a respeito de como lê-lo. Beijos, Mi

    http://www.recantodami.com

  6. Responder

    Carolina Scopel

    15/11/2013

    Nunca li livros com essa abordagem, mas me interessei bastante agora com essa resenha! [wink]

  7. Responder

    Giovanna Oliveira

    18/11/2013

    Nunca me interessei por livros assim, mas esse conseguiu chamar um pouco da minha atenção. Quer dizer, tudo bem que o livro pode ter algumas partes maçantes, mas como você mesma disse, o Google em si possui uma história espetacular! Ate agora, a maioria dos livros que li foram apenas ficções, mas talvez esse livro possa ser um ótimo começo para mudar de “estilo” literário. Parabéns pela resenha, conseguiu mudar algumas de minhas ideias 🙂

ESCREVA UM COMENTÁRIO