Keren David – Quando eu era Joe

resenha do livro Quando eu era Joe

Quando eu era Joe
Série Joe, livro 1
Keren David
Editora Novo Conceito, 2014
320 páginas

Imagine o que é perder, em uma única noite, sua casa, seus amigos, sua escola e até mesmo seu nome. Aos 14 anos, Ty presencia um crime bárbaro num parque de Londres. A partir desse momento, tudo muda para ele: a polícia o inclui no programa de proteção à testemunha, e Ty é obrigado a assumir uma vida diferente, em outra cidade. O menino ingênuo, tímido, que costumava ser a sobra do amigo Arron, matricula-se na nova escola como Joe.. E Joe não poderia ser mais diferente de Ty: faz sucesso com as meninas, torna-se um corredor famoso… Joe é tão popular que acaba incomodando os encrenqueiros da escola.
Ser Joe é bem melhor do que ser Ty. Mas logo agora, quando ele finalmente parece ter se encaixado no mundo, os atentados e ameaças de morte contra sua família e obrigam a viver no anonimato, em fuga constante e sob a pressão de prestar depoimentos sobre uma noite que ele gostaria de esquecer.

Eu definitivamente AMO séries, tanto de livros como de filmes, mas sempre fico apreensiva ao iniciar a leitura de uma, considerando meus problemas de ansiedade com coisas inacabadas! Fiquei mais tranquila ao ver que os próximos livros já estão muito bem escritinhos, portanto, here we go Keren David!

É difícil identificar o gênero de “Quando eu era Joe”. A trama abraça muitas questões, algumas mais divertidas, outras mais dramáticas. O livro conta a história de Ty, um menino de 14 anos que mora com sua jovem mãe Nicki na periferia de Londres. Ty frequenta uma das escolas mais rígidas da região, e sua mãe é muito preocupada com seus estudos. Ela engravidou cedo e quer proporcionar ao filho todas as oportunidades que ela não pôde ter.

O problema é que Ty é um menino muito influenciável, e cercado de más companhias. Na escola, ele é apenas mais um, sempre à sombra de seu amigo Arron, que tem envolvimento com algumas gangues bem violentas. Resultado: Ty acaba presenciando um terrível assassinato, e é a única testemunha que pode ajudar a elucidar o caso, identificando os verdadeiros culpados. Ele fica apavorado, mas sua avó o convence a fazer a coisa certa: ir até a delegacia para prestar depoimento.

A partir daí, Ty e Nicki são completamente retirados de suas vidas e obrigados a participar de um programa de proteção à testemunha, tendo que adotar novos nomes, nova aparência e nova personalidade. Ty virou Joe, e Nicki virou Michelle.

Aí eu pergunto, você gostaria de ter a chance de apagar todo o seu passado e começar a reescrever a história da sua vida? Bom, o Ty gostou! Na verdade, para ele, ser Joe era incrível. Na nova escola, ele se tornou um cara popular, totalmente visado pelas meninas e um destaque no atletismo. Mas o passado não seria esquecido tão facilmente. Atentados violentos contra a sua família começam a acontecer e Ty acaba dominado por um forte sentimento de culpa e desespero. No meio de tudo isso, ele ainda precisa mentir para as pessoas que gosta e enfrentar o bullying de um grupo de meninos na escola, que não aceitam sua popularidade.

Faço aqui uma ressalva: na minha percepção, o bullying é um dos pilares da construção desta história. Ele aparece de várias formas, em muitos momentos. Acho bem importante a iniciativa da autora ao tratar desta questão, principalmente em livros infanto-juvenis como este.

Bom, mas uma coisa é certa: Ty está escondendo coisas sobre o assassinato que presenciou. Coisas que não contou nem para sua família, nem para a polícia. Coisas que só ele sabe. Coisas que só… saberemos no próximo livro! #desespero.

Keren David genialmente deixa questões-chave em aberto, e cria uma grande expectativa para a continuação desta história. Ela sabe trabalhar muito bem com questões morais, com os pensamentos de Ty e com os conflitos que surgem deles. A leitura é muito leve, ela simplesmente flui. Portanto, eu recomendo para quem curte uma boa história policial e também para quem gosta de uma leitura mais eclética.

Estou realmente ansiosa para o próximo lançamento, que, aliás, chama-se “Quase verdade”.
…Como assim “Quase Verdade”?! O título já me deixou no mínimo intrigada!

POSTS RELACIONADOS

6 comentários

  1. Responder

    Juliana

    05/04/2014

    Já tinha lido a sinopse e tinha achado interessante e agora com essa resenha, tenho certeza que será o próximo livro que vou comprar. Adorei! Mais ainda por ser uma série e ter esse tema diferente 🙂

    Beijos!

  2. Responder

    Camila

    05/04/2014

    Não conhecia sobre esse livro, essa questão sobre séries é complicado, comecei a ler o Tequila Vermelha do Riordan e agora que descobri que os outros 3 livros ainda não foram publicados. yey. hahahahha
    Mas gosto bastante de livros policiais onde aquele suspense te dá uma dor no coração de tanta ansiedade 😀

    Beijos!

  3. Responder

    alice aguiar

    06/04/2014

    cara eu simplesmente adorei esse livro!

  4. Responder

    Mari Cruz

    06/04/2014

    nunca ouvi falar desse livro, mas depois de ler a resenha fiquei com mt vontade de comprar…
    agora, eu mal prestei atenção na resenha, pq fiquei pensando: “desde quando a gabi tem colaboradora no blog?” nunca tinha lido um post que fosse de outra pessoa no fluffy, ou então pelo menos nunca reparei… [secret] [secret]
    bjos

    • Responder

      Gabi Orlandin

      07/04/2014

      Sim, Mari! Tenho 3 meninas que me ajudam nos posts, e a Di fica mais com as resenhas de livros 😉
      Beijos.

  5. Responder

    Babi Lorentz

    06/04/2014

    Você me deixou curiosa, mas ainda assim não sei se leria o livro. Está na minha estante enquanto eu penso. Mas saber que a gente não descobre tudo no primeiro livro só faz com que eu o deixe ainda mais pra depois. =/
    Beijos.

ESCREVA UM COMENTÁRIO