Tahereh Mafi – Estilhaça-me, volume 3: Incendeia-me

Resenha do livro Incendeia-me

Incendeia-me
Trilogia Estilhaça-me, volume 3
Tahereh Mafi
Editora Novo Conceito, 2014
384 páginas

Submarino Saraiva

O destino do Ponto Ômega é desconhecido. Todas as pessoas com quem Juliette se importa podem estar mortas. Talvez a guerra tenha chegado ao fim antes mesmo de ter começado. Juliette foi a única que restou no caminho d O Restabelecimento. E sabe que, se ela sobreviver, O Restabelecimento não sobreviverá. Entretanto, para destruir O Restabelecimento e o homem que quase a matou, Juliette vai precisar da ajuda de alguém em quem nunca pensou que pudesse confiar: Warner. Enquanto eles lutam juntos para combater o inimigo, Juliette descobre que tudo que ela pensava saber sobre seu poder, sobre Warner e até mesmo Adam era uma mentira.

Incendeia-me é o último volume da série Estilhaça-me, escrito por Tahereh Mafi e publicado no Brasil pela editora Novo Conceito. Antes deste, tivemos dois livros físicos e dois e-books. A série e ordem completa é a seguinte:

  • 1. Estilhaça-me
  • 1.5. Destrua-me (e-book gratuito)
  • 2. Liberta-me
  • 2.5. Fragmenta-me (e-book gratuito)
  • 3. Incendeia-me
  • Dá pra ler a trilogia de livros sem os e-books? Claro que dá. Só não rola de ler somente os e-books, pois você não vai entender muita coisa. Não teremos resenha dos e-books aqui no blog, porque eles são curtinhos. Porém, resumidamente pra situá-los na história, Destrua-me conta uma parte da história pela visão de Warner e Fragmenta-me conta outro trecho pela visão de Adam, enquanto os três livros físicos são narrados pela Juliette, nossa personagem principal.

    Resenha do livro Incendeia-me

    Se você não conhece a história de Estilhaça-me, ela é mais ou menos assim: Juliette Ferrars é uma moça de 17 anos que passou os 264 dias presa em uma cela minúscula de um manicômio, sem ter acesso a áreas externas, luz do sol ou – principalmente – contato com pessoas. Juliette tem uma maldição: seu toque é letal. Lá fora, o mundo não é mais o mesmo: quase não há mais árvores, as estações do ano são indefinidas, não há pássaros no céu, pessoas e animais morrem de doença e a comida é escassa. Tudo isso por causa de uma organização eleita pelo povo chamada O Restabelecimento. As pessoas os colocaram no poder ao prometerem um mundo novo, diferente e bom. Porém, os planos deles eram outros.

    Depois de 264 dias presa, Juliette finalmente é liberada e conhece Warner, o comandante rigoroso, frio e sem coração do setor 45. Porém, ele a libertou por uma razão: Warner quer usar os poderes de Juliette, e ela consegue imaginar o que ele poderia fazer com eles. Em seu novo quarto, Juliette é supervisionada por Adam, um soldado que, com o tempo, descobrimos não estar realmente interessado em continuar servindo ao Restabelecimento. Adam é o único que, inexplicavelmente, pode tocá-la. Depois de um tempo de planejamento, os dois conseguem fugir.

    No segundo livro, Liberta-me, descobrimos que Juliette não é a única pessoa com características especiais. Há um grupo de rebeldes escondido no Ponto Ômega; aos poucos a personagem aprende a controlar seus poderes e conhece diversas pessoas com dons úteis, curiosos e interessantes. Ao mesmo tempo, ela vê o seu romance com Adam se desgastando, ao passo que Warner não lhe sai da cabeça.

    Neste terceiro livro, a guerra é real. O Restabelecimento descobriu sobre os rebeldes em formação e querem destruí-los, ao passo que eles treinam com cada vez mais afinco para enfrentar o campo de batalha. As pessoas não são o que realmente parecem; os bons podem ser maus, e os maus podem ser bons. As reviravoltas, os amores desencontrados, os desejos reprimidos e todas as emoções sentidas à flor da pele deixam o leitor acordado por horas, somente para descobrir o findar desta história.

    Resenha do livro Incendeia-me

    Resenha do livro Incendeia-me

    É mais ou menos aí que eu queria chegar. Este livro seria perfeito se não fosse por esse porém: o final. Não posso negar que ele é muito como eu imaginei, e eu realmente gostei disso, mas esperava algumas finalizações mais concretas, alguns encerramentos mais definitivos. Tudo ficou encaminhado, o que é bom, mas eu fiquei ansiando por uma continuação para ver flores brotando, pássaros voando e pessoas felizes. Dá pra entender? Ou é muito otimismo pra uma história de distopia? xO

    Este terceiro livro, assim como o segundo, é bastante focado no romance. Temos um triângulo amoroso entre Juliette, Adam e Warner, e muitas vezes eu quis sacudir e bater na Juliette pelas decisões idiotas que ela tomava. Ela é uma personagem forte, decidida e corajosa – daquele tipo que todos nós adoramos -, mas às vezes ela não sabia ouvir a voz da razão. Porém, como não podia deixar de ser, o livro me agradou muito sim, com exceção destes dois pequenos detalhes.

    A escrita de Tahereh Mafi é muito diferente de tudo o que vocês já viram, com palavras tachadas, repetidas e pensamentos escritos aleatoriamente de propósito, fazendo o leitor entrar dentro da cabeça da personagem e ver como ela se sentia. E isso dá muito certo.

    Eu recomendo muito a leitura dessa trilogia a todos que gostam do estilo distópico. Aposto que vocês vão se apaixonar por, pelo menos, um dos personagem – e posso jurar que dessa vez ele não será o mocinho!

    POSTS RELACIONADOS

    6 comentários

    1. Responder

      Ana

      26/06/2015

      “Finalizações mais concretas”, exatamente isso que eu esperava. O estilo da autora é incrível, amo a forma com que ela retrata os pensamentos da Ju. A construção dos personagens é incrível, não só o triângulo, mas os secundários são incríveis também. Ainda tenho esperança de um ebook com o mundo florescendo e as pessoas com uma vida melhor.

      • Responder

        Gabi Orlandin

        28/06/2015

        Que bom que não fui a única a esperar isso, Ana. Acho que esperei por causa da capa, que mostra flores e pássaros e tudo o mais. Eu também iria amar um e-book com esse final tão esperado! <3 Vamos torcer!
        Beijos.

    2. Responder

      igor thiago

      26/06/2015

      Oi Gabi,

      Não sei se você chegou a notar, acho que eu fui o único… Se você perceber o primeiro livro, Estilhaça-me, 90% das páginas são com palavras tachadas, sem pontuações e tal. No segundo volume, ainda temos o uso de palavras tachadas, mas no terceiro, nossa, o uso dessas palavras quase nunca aparacem. Concorda comigo que é pelo fato da personagem estar menos louca? Por exemplo, no primeiro livro ela estava, ahah, muito doida. Mas acho que ela começou a se reabilitar e voltar ao normal, com o decorrer do tempo e dos livros né?

      Beijão Gabi.

      • Responder

        Gabi Orlandin

        28/06/2015

        Oi, Igor!
        Eu me lembro que percebi a falta das palavras tachadas em algum momento durante a leitura, e depois acabei esquecendo de mencionar isso na resenha. Na verdade, esqueci esse detalhe no geral, e na minha mente ficou marcada a ideia das palavras tachadas na série toda. Isso faz sentido? hahaha! Mas sim, concordo contigo que a autora fez de propósito porque a Juliette não estava mais tão louca.
        Beijo! Boa semana pra ti!

    3. Responder

      Jéssica Alves

      01/07/2015

      Oi Gabi, adorei sua resenha. Adorei os personagens e principalmente um certo vilão (não tão vilão). Torci por ele e fiquei feliz de não ter torcido em vão…. Mas enfim, como o final da história vai terminar só assim? Algumas coisinhas ficaram sem explicação… O dom do James por exemplo, a real história do Kenji, o mundo depois da vitória?? Eu realmente gostaria que a doce vingança fosse feita pelos três mais interessados juntos. Ah deixa eu parar de falar antes de dar spoilers. Vamos ficar na torcida pra tia Mafi nos dar uma boa notícia e publicar algo sobre o futuro dessa distopia….
      XOXOXO

      • Responder

        Gabi Orlandin

        04/07/2015

        Aiii, e quem não se apaixona por esse certo vilão? hahaha! [love] Espero mesmo que saia mais alguma coisa sobre a história, nem que seja um e-book curtinho pra dar um fechamento.
        Beijos!

    ESCREVA UM COMENTÁRIO