Timothée de Fombelle – Vango: Entre o céu e a terra

Vango

Vango: Entre o céu e a terra
Vango #1
Timothée de Fombelle
Editora Melhoramentos, 2015
360 páginas

Submarino Saraiva

Salvar a pele e, ao mesmo tempo, descobrir a própria identidade: esses são os grandes desafios de Vango. Ao ler esse thriller histórico, ambientado no conturbado período entre as duas grandes guerras mundiais, somos impelidos a fugir com esse rapaz órfão de 19 anos que desconhece sua origem e tenta entender por que a polícia e um franco-atirador estão em seu encalço.

A narrativa começa na solenidade em que Vango e outros seminaristas seriam ordenados padres na Catedral de Notre-Dame, em Paris. O assassinato do padre Jean, seu protetor, desencadeia a perseguição ao rapaz, suspeito do crime, que empreende uma fuga espetacular ao escalar nada menos do que os famosos vitrais da catedral. Essa cena é apenas um exemplo da aventura de que é feita toda a saga, em que acompanharemos nosso protagonista em situações e lugares improváveis – pulando de um trem em movimento, escondido na copa das árvores num bosque da Escócia ou dependurado num zepelim sobre um vulcão.

O fracasso em não ter sido ordenado padre deixa nosso herói arrasado, mas a jovem Ethel, porém, fica bem feliz. É ela quem vai ajudar Vango a provar sua inocência. A saga traz outros personagens marcados por segredos, como Mademoiselle, a senhora poliglota e sem memória com quem Vango é salvo do naufrágio na costa da Sicília aos 3 anos, e Hugo Eckener, personagem verídico, comandante do Graf Zeppelin, o grande dirigível que fascinou o mundo nas primeiras décadas do século XX. Algumas personalidades incorporadas à história são Joseph Stalin, sua filha Svetlana e Adolf Hitler.

Quando a editora Melhoramentos entrou em contato comigo para fecharmos a parceria do livro Vango, a primeira coisa que fiz foi, naturalmente, pesquisar sobre ele. Porém, quando eu vi que a história envolvia o período Entreguerras, personagens históricos como Hitler e uma ficção cheia de aventuras, não resisti. Aceitei a parceria na hora. E agora, após ter virado a última página do romance, não consigo escrever uma linha dele pra vocês. Esse livro é tão complexo, tão cheio de engrenagens e caminhos cruzados que é muito difícil escrever uma resenha à altura. Juro que vou tentar.

Vango

Vango Romano nasceu em 1915, um ano após o início da Primeira Guerra Mundial. Sua história se cruza com diversos acontecimentos históricos, como a Revolução Russa, a Grande Depressão e a tomada de poder da Alemanha por Hitler. Este período, entre o fim da primeira e início da segunda guerra é chamado de Entreguerras. Foi nesse tempo que acompanhamos as fugas de Vango. O que intriga o leitor – e o próprio personagem – é o passado misterioso de Vango. Um dia, um homem encontrou uma mulher e um pequeno menino de 3 anos em uma praia. A mulher, conhecida apenas como Mademoiselle, se torna a babá de Vango, mas ela não se lembra de onde vinha ou para onde ía. Dessa forma, não sabemos nada sobre o passado do garoto.

Entre o vaivém da história, conhecemos a trajetória do personagem, desde que ele foi viver com sua babá, nas Ilhas Eólias, um arquipélago italiano ao norte da Sicília. Essa trajetória também conta como Vango, nas primeiras páginas do livro, está a alguns minutos de se tornar padre antes mesmo dos 20 anos. Porém, algo grandioso acontece, e Vango precisa fugir. Os policiais estão atrás dele, e acompanhamos enquanto ele escala a catedral Notre Dame e corre sobre telhados das casas para afugentar aqueles que o perseguem. O motivo? Vango ainda não sabe, mas vai descobrir. Ele só sabe que precisa fugir. Ele sempre foi visto como um garoto paranóico; ele sempre achava que pessoas estavam atrás dele. Até que finalmente aconteceu.

Vango avançava na vida apagando seus rastros. Ele não chamava mais isso de paranoia e, sim, de sobrevivência. Página 167.

Quando os policiais perguntam às pessoas, ninguém conhece ou ninguém sabe de onde veio o menino. Porém, o que intriga os oficiais é que ele tem muitos contatos e, por isso, consegue se esconder e fugir. Entre uma fuga e outra, Vango se encontra dentro do Graf Zeppelin, pilotado por seu amigo Hugo Eckener, tendo como tripulantes Heinrich Kubis, Ernst August Lehmann e a jornalista Grace Marguerite Hay Drummond-Hay – pessoas reais que compõem esse romance como personagens. Essas partes, dentro do Zeppelin, foram as mais divertidas para mim. Eu adorava ler esses capítulos, e Hugo era um personagem incrível, que fazia de tudo para esconder seu amigo Vango dos oficiais que entraram no dirigível à procura de um clandestino.

Vango

Entre uma escalada e outra – ou melhor, entre o céu e a terra, literalmente – Vango faz contatos, passa despercebido, consegue voltar para casa, descobre que mais pessoas estão atrás dele e, de forma geral, tenta encontrar o que dá sentido à sua vida – coisa que todos nós fazemos, afinal de contas.

O livro é maravilhoso, e podemos perceber que o autor pesquisou bastante para escrever sobre esse período conturbado da história da humanidade. Entre os vários momentos tensos da história, ainda houve espaço para piadas, para pequenas mentiras que enganavam oficiais da Gestapo, e é possível rir em muitas dessas tiradas. O livro é flui, mas pode ser bastante cansativo, por ser denso, conter muitas informações e inúmeros personagens. Algumas vezes, eu tinha a sensação de que deveria começar tudo de novo, pois sempre me pareceu que houve coisas que eu não tinha entendido.

Além disso, me parecia, na hora da leitura, que alguns trechos eram desnecessários para o andamento da história; um pouco depois eu descobria que aquele trecho era a chave para um outro desfecho. O autor foi realmente genial em criar todos esses caminhos cruzados, mas é um pouco difícil acompanhar tudo isso. Acho que, para ser uma leitura totalmente proveitosa mesmo, o leitor precisa pegar o livro e ler todo de uma só vez, prestando atenção a cada detalhe. Porém, o leitor que se interessa por esse período e que gosta desse tipo de leitura, vai encontrar em Vango um prato cheio.

VangoO início dos capítulos era um charme à parte.

VangoA história dentro da história, um capítulo extra do livro que conta quem são os personagens reais inseridos no romance.

A diagramação do livro é outro ponto que conta muito a favor. O livro todo é dividido em três partes, e cada início dessas partes tinha uma arte muito bonita, geralmente com uma informação sobre a história no verso. Toda a impressão interna é na cor marrom avermelhada, como na capa, fazendo com que o livro seja agradável de ler. Além disso, o romance conta com um capítulo extra com informações sobre as pessoas reais que aparecem na história, bem como algumas fotos e curiosidades.

Vango é uma série composta por dois livros, sendo que o segundo se chama Vango: Um príncipe sem reino. Eu dei quatro estrelas a este primeiro livro, mas não é por não ter gostado. Tanto que, quando terminei a leitura, só tinha uma coisa em mente: “preciso do próximo!”.

Acesse a página do livro no site da Melhoramentos para conferir o trailer e ler um trecho.


Sorteio de marcadores:

Tenho 4 marcadores do livro pra distribuir entre 4 leitores do blog. Então, se você tem algo a dizer sobre este livro, comente aqui neste post para concorrer! Irei sortear os marcadores entre todos os comentaristas na sexta-feira, dia 26 de junho.

Resultado:

As vencedoras foram: Mary, Dai Castro, Angelica e Beatriz! 😀

POSTS RELACIONADOS

10 comentários

  1. Responder

    Angelica Brunatto

    22/06/2015

    Eu gosto de livros que se passam em uma determinada época e que nos relatem o que se passava por lá! Gostei da sua resenha, ficou ótima, e amei a diagramação do livro! Acho que ultimamente tenho reparado bastante nestes aspectos! hehe
    beijos
    Angelica
    http://www.angelicabrunatto.com.br

  2. Responder

    Mary

    22/06/2015

    Gabi, adorei sua resenha e adorei a ideia do livro!
    Gosto bastante de livros que se passam no passado e têm uma preocupação de falar um pouco sobre o determinado período. A história pareceu bem divertida, com personagens interessantes. Achei a ilustração da capa uma graça, chamou a minha atenção logo que vi a foto. Gostei também da diagramação, que para mim sempre é importante que seja bem feita e tals.
    Talvez eu me perca com o grande número de personagens e a história complicada que você falou, mas eu fiquei com bastante vontade de ler. Uma dica (não sei se vai servir para você): quando um livro tem muitos personagens, uma boa ideia é fazer uma lista com o nome deles para você não se perder. Sempre faço isso com livros assim, principalmente os russos que além de um monte de personagem, cada um tem um nome, sobrenome, nome do meio e três apelidos. Me ajuda bastante! hahahaha
    Beijos! [heart]

    • Responder

      Gabi Orlandin

      02/07/2015

      Eu adorei a sua dica, Mary! Na verdade, pensei nisso lá pela metade do livro, mas aí não queria voltar e começar tudo de novo. Vou fazer isso quando ler o segundo livro.
      Beijos.

  3. Responder

    Beatriz Cavalcante

    24/06/2015

    Eu vi bastante gente postando fotos desse livro e fiquei querendo saber mais sobre ele. Pelo jeito deve ser uma história bem interessante e cheia de aventuras. A diagramação dele ta muito lindinha e amei a capa dele com essa ilustração super bacanuda. 😀

    Fiquei afim de ler. [lol]

    • Responder

      Gabi Orlandin

      02/07/2015

      A ilustração é linda mesmo, Bia! E o livro todo é bonito e agradável de ler. É bem diferente de tudo o que já li, recomendo! 🙂
      Beijos.

  4. Responder

    Rosangela

    24/06/2015

    Estou encantada com a resenha. Quero muito ler o livro. Já estou pesquisando para comprá-lo. Obrigada!!!!

  5. Responder

    carla

    24/06/2015

    Ansiosa por essa leitura.

  6. Responder

    Manu Furtado

    24/06/2015

    Bela resenha! Aguçou minha curiosidade e vontade de ler. Já entrou na lista dos “tenho que ter”!!! [love]

  7. Responder

    Dai Castro

    26/06/2015

    Eu particularmente me interesso bastante por livros que tem como plano de fundo a guerra, ou nesse caso, o período entre guerras. A história me pareceu bem complexa, mas esse detalhe das histórias cruzadas me deixou bem curiosa, geralmente eu gosto bastante desse tipo de narrativa. Beijos ^__^

    • Responder

      Gabi Orlandin

      02/07/2015

      Eu também, Dai! Adoro livros ambientados nesse período histórico! Acho que você iria gostar dessa leitura.
      Beijos.

ESCREVA UM COMENTÁRIO