Navegando pela tag

Editora Biruta/Gaivota

  • Sarah Emmanuelle Burg – O segredo do amor

    30.06.2013

    O segredo do amor é um livro-imagem que constrói sua narrativa através de ilustrações delicadas e sensíveis, retratando o primeiro amor – e todos os sentimentos que acompanham essa descoberta. O livro estimula a interpretação de diferentes linguagens, e encanta não só os leitores iniciantes, mas de todas as idades.

  • Socorro Acioli – A Bailarina Fantasma

    01.02.2013

    O Theatro José de Alencar estava prestes a passar por uma grande reforma. Marcelo, que foi contratado para coordenar a obra, tinha uma filha, Anabela, que logo no primeiro dia viveu um encontro assustador com o fantasma de uma jovem bailarina que aparecia no teatro há muitos anos. Mesmo contra sua vontade, Anabela embarcou em uma viagem pelo passado daquele lugar. A bailarina fantasma só poderia ir embora quando resolvesse, com a ajuda de Anabela, algo muito importante que mudaria a vida de várias pessoas.

  • Marilia Pirillo – 60 Contos Diminutos

    21.01.2013

    60 contos diminutos são minicontos para ler a qualquer hora. Textos curtos, rápidos, de poucas linhas. Recortes da realidade, pequenas histórias do cotidiano. Contos de muitos espaços. Espaços provocadores, deixados ali de propósito porque algumas vezes muito mais interessante que mostrar é apenas sugerir e deixar ao leitor a tarefa de “preencher” as lacunas e entender a história por trás da história. São 60 contos para fazer pensar, questionar, concordar ou discordar. Para imaginar diferente, se identificar, dar de ombros, detestar ou adorar.

  • Jorge Miguel Marinho – Lis no Peito

    07.12.2012

    Este livro fala de amor entre jovens, da felicidade de adiar um primeiro beijo tendo a certeza de que ele vai acontecer, de delicadezas e violências que são tão presentes no mundo de quem quer se descobrir. Há um crime, imperdoável talvez, e o possível criminoso pede para um escritor amigo escrever a sua história porque ele mesmo não consegue entender se é culpado ou não. Precisa de outros olhos para ser condenado ou absolvido, sobre-tudo para continuar a viver. É aí que o leitor entra e, mesmo em silêncio, se vê responsável e seduzido para dar seu veredicto final. Clarice Lispector também está presente nessa trama…