Resenhas de livros

Resenhas de filmes

Lifestyle

Francesc Miralles e Héctor García – Ichigo-ichie

Ichigo-ichie é um daqueles livros que me chamou a atenção primeiramente pela capa. Tenho muita curiosidade sobre a cultura japonesa, a cerimônia do chá, as flores de sakura (mais conhecidas como cerejeiras), os rituais para cultivar cada momento como se fosse o último. E é exatamente sobre isso que fala o Ichigo-ichie. Vem comigo que vou te contar um pouco mais sobre essa tradição oriental!


Ichigo-ichie

A arte japonesa de transformar cada instante em um momento precioso

 

Autoria:
Francesc Miralles e Héctor García

Editora:
Sextante

Lançamento:
2019

Páginas (nº):
176
A expressão japonesa Ichigo-ichie foi usada pela primeira vez há meio milênio, pelo criador da tradicional cerimônia do chá, e pode ser traduzida como “o que estamos vivendo agora não se repetirá nunca mais”. A partir dessa premissa, Francesc Miralles e Hector García apresentam um livro encantador, capaz de nos fazer enxergar a beleza efêmera de cada instante. No entanto, mais do que lembrar que nossa existência é breve, o Ichigo-ichie ressalta que estamos vivos e que, por isso, devemos aproveitar plenamente todas as nossas experiências. Mesclando histórias inspiradoras e dicas práticas, os autores nos ensinam a criar conexões mais profundas com as outras pessoas; despertar nossos sentidos e abrir as portas para a sincronicidade; abandonar a preocupação com o passado e o futuro para viver o agora; organizar encontros e celebrações memoráveis; integrar à nossa vida a filosofia zen que inspirou Steve Jobs e valorizar cada momento, conscientes de que ele nunca se repetirá da mesma forma.

Viver o momento presente e aproveitar cada instante é algo que me intriga. No mundo caótico em que vivemos, é quase impossível termos tempo de parar e apreciar a beleza da natureza, a brisa no rosto, ou qualquer efeito simples que aconteça ao nosso redor. Estamos sempre apressados, correndo atrás de compromissos, metas e mais trabalho a ser feito.

Dois dos motivos pelos quais eu pratico yoga é a atenção plena e o autoconhecimento. É estar presente em cada momento. Eu ainda não tenho total consciência disso no meu dia a dia, e tenho muito a aprender, porém, acredito que buscar essa plenitude é o primeiro passo para alcançar esse objetivo.

Portanto, esse livro chegou para mim no momento certo. Em meio à busca por aproveitar ao máximo cada momento, por mais simples e singelo que ele seja, o Ichigo-ichie veio me mostrar que isso é possível para qualquer pessoa, em qualquer rotina e qualquer lugar do mundo.

É possível traduzir Ichigo-ichie como “uma vez, um encontro” ou “neste momento, uma oportunidade”.
Citação do livro Ichigo-ichie, de Francesc Miralles e Héctor García.

Ichigo-ichie é viver o presente, sabendo que esse exato momento nunca mais se repetirá da mesma forma. Uma das formas dos orientais celebrarem o Ichigo-ichie é através da cerimônia do chá, um momento sagrado, de profunda reflexão, silêncio e reciprocidade. Ao final de cada encontro, os convidados da cerimônia se cumprimentam com “ichigo-ichie”, os lembrando que isso nunca mais se repetirá da mesma maneira no futuro.

O universo está em constante mudança, e nós também. Por isso, nada acontecerá novamente do mesmo modo.
Citação do livro Ichigo-ichie, de Francesc Miralles e Héctor García.

Por isso, mesmo em meio à nossa correria de estudos, trabalho e lazer, precisamos abrir uma brecha para curtir as pessoas que amamos e as coisas que vivemos. Um simples florescer de primavera é um evento a ser celebrado, pois ele nunca mais se repetirá da mesma forma.

Os autores abordaram o conceito de forma bem leve e com vários exemplos, o que nos ajuda a entender a explicação. Adorei ler sobre a prática zazen de Steve Jobs e os mitos indianos, por exemplo. Os capítulos são bem divididos, abordando um tópico de cada vez. Por outro lado, achei que os autores se dispersaram um tantinho em outros assuntos. São assuntos paralelos que se complementam, mas talvez caberia abordar de outra forma ou, até mesmo, aprofundar ainda mais no conceito chave desse título, e deixar outros assuntos para outra publicação. De qualquer forma, é uma leitura válida para conhecer a prática do Ichigo-ichie e dar uma pincelada na ideia da atenção plena que o cerca.

Esse livro me lembrou um pouco do estilo de vida Hygge, que tem como base se sentir confortável, acalentado e bem consigo mesmo e com as pessoas que o rodeiam. De certa forma, acredito que o Hygge e o Ichigo-ichie são práticas que se complementam para um estilo de vida focado no presente, nos momentos mágicos e simplórios que vivemos e no conforto dentro de si mesmo.

Citações de Ichigo-ichie para você se inspirar:

Naquela tarde de primavera, com um lampejo de inspiração, entendemos algo que nos faria refletir pelos meses seguintes. Na época da dispersão absoluta, da cultura do instantâneo, da falta de escuta e da superficialidade, há, dentro de cada pessoa, uma chave capaz de abrir novamente as portas da atenção, da harmonia e do amor à vida. Essa chave se chama Ichigo-ichie.
Citação do livro Ichigo-ichie, de Francesc Miralles e Héctor García.

O que importa não é quantos anos mais viveremos, mas o que faremos com o tempo que nos resta.
Citação do livro Ichigo-ichie, de Francesc Miralles e Héctor García.

Ter algumas feridas emocionais abertas, como uma xícara quebrada que não se recompõe, faz parte da vida. No entanto, podemos nos recompor dando valor ao que aprendemos com cada infortúnio ou fracasso. Assim, as cicatrizes mostrarão nossa história, como a laca dourada do kintsugi.
Citação do livro Ichigo-ichie, de Francesc Miralles e Héctor García.

Ter problemas é sinônimo de estar vivo, e, mais do que as épocas de paz, são as dificuldades e nossa forma de enfrentá-las que nos moldam no decorrer da vida.
Citação do livro Ichigo-ichie, de Francesc Miralles e Héctor García.

Quando não temos a capacidade de escutar, os gritos substituem as palavras e nossa tagarelice mental substitui a compreensão profunda daquilo que o outro precisa nos dizer.
Citação do livro Ichigo-ichie, de Francesc Miralles e Héctor García.

Comente este post!